O consumo colaborativo é apontado como uma das 1o idéias que vão mudar o mundo. (Revista Time Magazine 2011)

Você sabia que 43% dos consumidores americanos acreditam que acumular coisas hoje é mais um fardo que um benefício?

Você já sentiu vontade de se desfazer de muita coisa que tem acumulada?

Você já pensou que pode ter coisas guardadas (e não utilizadas) úteis para muitas pessoas?

Consumo Colaborativo faz parte de um novo mercado e é um fenômeno social, que alguns anos atrás, ninguém tinha ouvido falar. Hoje, no entanto, visivelmente está mudando a cultura de consumo mundial.

Mas, afinal, o que é Consumo Colaborativo?

Qual o conceito mais exato?

Consumo Colaborativo (Economia Compartilhada) é um ecossistema sócio-econômico construído em torno do compartilhamento de recursos humanos, físicos e intelectuais. Inclui a criação, produção, distribuição, comércio e consumo compartilhado de bens e serviços por diferentes pessoas e organizações.

Simplificando, a economia colaborativa inclui uma série de sites e plataformas móveis que permitem aos usuários compartilhar seus carros, casas, produtos, serviços, entre outros recursos.

Com isso, podemos classificar o Consumo Colaborativo em 3 (três) exemplos ou sistemas de consumo: 

– Acesso a bens e serviços: Modelos onde as pessoas pagam por acesso ao bem ou serviço apenas durante o tempo que os utilizam. Exemplos claros deste modelo são a partilha de carro, quartos, contratar serviços de máquinas de lavar, modelo de terceirização de serviços, etc… Este modelo traz melhorias implícitas em termos de impacto ambiental, pois, teoricamente, menos produtos manufaturados são necessárias e tem o desafio de criar produtos melhores, com melhor durabilidade.

– Redistribuição: Esses modelos são caracterizados pelo transporte de mercadorias usadas de lugares onde elas não são mais necessárias para lugares onde são necessárias. Neste modelo, encontramos a venda de produtos usados, sites de doação e permutas.

– Estilos de vida colaborativos: Esses modelos são baseados na construção de comunidades de pessoas, cujo objetivo final é compartilhar bens e serviços, espaço ou tempo. Exemplos desses modelos são: cooperativas de consumidores, bancos de tempo, geração de moedas alternativas. Esses modelos resultam em grande impacto social, ambiental e benefícios econômicos.

Consumo Colaborativo é uma tendência mundial, que traz grandes mudanças de comportamento, benefícios sociais e ambientais, bem como muitas oportunidades de renda extra.

De acordo com um estudo realizado pela Price Water House Coopers em 2015, nos EUA, cerca de 43% dos consumidores acreditam que a propriedade é agora mais um fardo do que um benefício. O estudo também mostra que 19% da população exerce o consumo colaborativo e 44% estão cientes da sua natureza.

Certa parte da população, principalmente os jovens que cresceram na era digital, começa a rejeitar a *cultura do consumismo* imposta nas últimas décadas, tais como:

·         Produtos utilizados algumas vezes e, em seguida, descartados;
·         Possuir um carro que, na maior parte do tempo, não é utilizado;
·         Manter o quarto de uma criança que cresceu e foi para a universidade.
As pessoas perceberam que a “propriedade” leva à perda de recursos valiosos, e a sociedade vai se beneficiar muito mais se os bens forem compartilhados, reutilizados com isso reduzindo o desperdício.

Esta mudança de percepções vem junto com a preocupação crescente com os problemas sociais e ambientais atuais.

Devido a isso, as plataformas de “consumo colaborativo” tendem a  prosperar e otimizar seus sistemas, pois facilitam a troca, aluguel, empréstimo e doação de, por exemplo, livros,  carros, bicicletas, ferramentas, aparelhos domésticos, jogos, roupas, plantas, alimentos, etc.

A base da oferta compartilhada é uma combinação de valores como a confiança, a transparência, o acesso à informação, a autenticidade, a sustentabilidade da comunidade e a preocupação com a natureza e as relações entre as pessoas. 

CONHEÇA ALGUMAS EMPRESAS E SITES  DE ECONOMIA COLABORATIVA QUE ESTAO CHEGANDO NO MERCADO:

BEMCOMUM.CLUB – Site que conecta pessoas, empresas e ONGs com  o propósito de trocar, alugar, doar, vender produtos e serviços. Há também a funcionalidade de criar grupos (Club´s) para compartilhar produtos e habilidades com amigos.

RAPIDOC – Aplicativo que colabora com o home care, conectando médicos, psicólogos, enfermeiros, nutricionistas e fisioterapeutas a pacientes, seguindo a tendência que busca facilitar a aproximação entre pessoas através de aplicativos e outras tecnologias. Este aplicativo permite ao paciente localizar os profissionais mais próximos e selecionar, após verificar o que mais se adequa às suas possibilidades, o profissional que irá atendê-lo na sua casa ou onde ele estiver.

CAMALEÃO – Um espaço físico e virtual, colaborativo e compartilhado, onde empreendedores desenvolvem suas atividades profissionais em um ambiente que estimule a sensibilização ambiental e a sustentabilidade.

Querido leitor, estamos convencidos de que o consumo colaborativo pode contribuir muito para uma sociedade unida, responsável e mais consciente.

Perguntamos novamente: Está satisfeito com sistema capitalista imposto? Caso não esteja, fica o convite para que você

Seja o agente da mudança na sociedade!

Seja um consumidor consciente!

Seja você quem fará a diferença!

Gustavo Pacheco
Entusiasta e amante da economia colaborativa que acredita na transformação mundial através de uma nova cultura, onde possamos colaborar mais com os outros, e a formação dessa cultura é da economia colaborativa