O crescimento do Consumo Colaborativo: caso Airbnb

O crescimento do Consumo Colaborativo: caso Airbnb

 

A tendência global do consumo colaborativo resultou em um serviço simplificado de hospedagem. Vamos conhecer sobre o caso Airbnb.

 

As empresas líderes que estão promovendo a  economia compartilhada não são mais, em muitos aspectos, insurgentes e recém-chegados.

O tamanho e a escala do Uber, do Airbnb e de várias outras empresas agora rivalizam ou até superam as de algumas das maiores empresas do mundo em transporte, hotelaria e outros setores.

Isso se deve principalmente pela tecnologia, que reduziu os custos de transação tornando o compartilhamento de ativos mais barato e mais fácil do que nunca – e, portanto, possível em uma escala muito maior.

 

Leia Também: Definindo a Economia do Compartilhamento: o que é- e o que não é?

 

O que é meu é seu, por uma taxa

Assim como as empresas peer-to-peer, como o eBay, permitem que qualquer pessoa se torne um varejista, os sites de compartilhamento nos permite atuar como um hotel quando e como nos for conveniente.

Basta ir online ou baixar um aplicativo.

O modelo funciona para itens que são caros de comprar e são de propriedade de pessoas que não fazem uso total deles. Quartos e carros são os exemplos mais óbvios, mas você também pode alugar objetos.

Rachel Botsman, autora de um livro sobre o assunto, diz que o mercado de aluguel peer-to-peer sozinho vale 26 bilhões de dólares.

Esse “consumo colaborativo” é bom por vários motivos. Os proprietários ganham dinheiro com ativos subutilizados. E para as almas sociáveis, conhecer novas pessoas ficando em suas casas é parte do charme.

Se você imagina que todo inquilino é Norman Bates, ainda pode ficar em hotéis convencionais. Para outros, a web promove a confiança. Assim como as verificações de antecedentes realizadas pelos proprietários das plataformas, as avaliações e classificações on-line geralmente são postadas por ambas as partes em cada transação.

 

Leia Também: Como ganhar Dinheiro Extra com a Economia Colaborativa

 

Consumo Colaborativo caso Airbnb

Airbnb é uma plataforma online onde espaços desocupados, em parte ou em sua totalidade são anunciados para viajantes do mundo inteiro que buscam hospedagem.

É considerada um dos principais sites de consumo colaborativo do mundo e foi fundado em 2007 por Brian Chesky, Nathan Blecharczyk e Joe Gebbia em San Francisco.

 

O Airbnb era um mercado comunitário que trabalhava com base no modelo de negócios de locação entre duas pessoas e possibilitava que as reservassem, pesquisassem e classificassem o espaço de hospedagem em diferentes partes do mundo com a ajuda do celular ou da Internet.

A empresa ofereceu seus serviços em mais de 33.000 cidades em 192 países do mundo.

 

O aumento do uso da tecnologia móvel e dos serviços de internet apoiaram ainda mais o crescimento dos negócios do Airbnb, em grande medida.

Em 2012, a empresa alegou que havia facilitado a reserva de mais de dez milhões de pernoites e continuava avançando com os planos de reservar mais quartos em 2013 em comparação com os hotéis internacionais.

caso Airbnb | Consumo colaborativo

Em 2013, o Airbnb abriu seu escritório em várias partes da Europa, assim como em São Paulo e na Índia. No entanto, o Airbnb estava enfrentando muitos desafios legais para as propriedades alistadas nas grandes cidades como São Francisco, Havaí e Paris.

 

O crescimento é exponencial e foi potencializado pelos Jogos Olímpicos, que fez com que os listings da startup aumentassem de 3.500 em 2012, para 95.000 em 2016.

Mundialmente falando, eles possuem 2 milhões de listings, estão presentes em 191 países e têm expectativa de crescer sua receita dos US$900 milhões de 2015 para U$10 bilhões em 2020, aumentando assim de 1% para 10% seu share no mercado de viagens. (PhocusWright).

 

Você já usou os serviços do Airbnb? Conte aí nos comentários, vamos adorar saber!